domingo, 20 de junho de 2010

V Reunião da Criação da AGREMA






Sabado, dia 19 de junho de 2010, às 14h00min, aconteceu a quinta reunião da Comissão Provisória para a criação da AGREMA, Associação Grapiúna de Entidades de Matriz Africana, no terreiro Ilè Ase Oya Funké, na cidade de Itabuna. A intenção é criar uma Entidade representativa e solidária, organizada pelas lideranças religiosas.
O encontro, vem sendo promovido pela Associação do Culto Afro Itabunense, na busca de uma melhor comunicação entre as Comunidades Tradicionais de Terreiros/Templos de Religiões de Matriz Africana, da região. Assim como, para discutir a inclusão social, digital e cultural destes coletivos. Os encontros estão acontecendo desde abril, quinzenalmente e de forma itinerante, sendo realizado cada vez em um Terreiro/Templo de Matriz Africana da cidade.
O Coletivo está realizando seu primeiro evento público coletivo, que acontecerá durante o Projeto Terreirada 2010 (22/23 de julho de 2010), que consistirá de um Seminário e, um ato religioso, seguido por apresentações culturais, em Praça Pública.
A Cultura Afro-Brasileira estará presente nos festejos do Centenário da Cidade de Itabuna.
Promete ser um momento especial para a Sociedade Grapiúna.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Projeto Terreirada 2010


PONTO DE CULTURA


Projeto Terreirada 2010
I Seminário Sócio/Cultural das Comunidades Religiosas de Matriz Africana da Região Grapiúna

A Coordenação do Projeto Terreirada, acredita que atividades que objetivem o reconhecimento e a valorização das culturas dos povos Afro-Brasileiros devam estar presentes, de forma privilegiada, ao conjunto das políticas públicas desenvolvidas para esses povos. O futuro de um Brasil mais justo passa, necessariamente, pela garantia da manutenção das práticas culturais diferenciadas formadoras do mosaico étnico brasileiro.

De 22 a 23 de Julho de 2010 será realizado o I Seminário de Cultura e Religiosidade Afro-Brasileira da Região Grapiúna.
Esta realização tem o apoio da Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade Racial SEPROMI/BA e do Governo do Estado da Bahia.


APRESENTAÇÃO


O Projeto Terreirada 2010 é proposto em dois momentos, sendo:



I Seminário Sócio/Cultural das Comunidades Religiosas de Matriz Africana, promovendo o primeiro diálogo amplo e aberto, entre esses coletivos, composto atualmente por 44 Comunidades Tradicionais, identificadas em Mapeamento (Ponto de Cultura/ACAI/2009), somente na cidade de Itabuna/BA, mas, também, entre outros segmentos religiosos e a sociedade civil organizada.



Cerimônia Pública em homenagem aos Ancestrais e a Orixá Oxalá (Orixá Patrono da Cidade de Itabuna) ministrado por Sacerdotes/isas de Templos de Matriz Africana. Apresentações Culturais de Grupos de Matriz Africana.

Essa iniciativa possibilita um melhor conhecimento dos patrimônios culturais Afro-Brasileiros, além de contribuir para o diálogo intercultural entre os Povos Tradicionais e, entre estes e a sociedade ocidental.


OBJETIVOS:


Valorizar a diversidade cultural Brasileira, contemplando a questão Afro-Brasileira;
Dar visibilidade e debater a produção cultural Afro-descendente no Brasil;
Divulgar imagens e promover diálogos que revelem a riqueza cultural e o potencial dos povos Afro-Brasileiros, visando diminuir o preconceito e proporcionando conhecimento e cultura;
Reiterar a importância histórica das Culturas dos Povos Tradicionais;
Realizar ações culturais e educacionais gratuitas com o objetivo de garantir o acesso ao conhecimento, à reflexão e ao debate de temáticas Afro-Brasileiras;
Proporcionar a valorização das línguas nativas e dos conhecimentos tradicionais Afro-Brasileiros;
Contribuir com a promoção da diversidade cultural, da auto-estima, do sentimento de pertencimento, da cidadania, da liberdade dos indivíduos e da emancipação social dos povos de Terreiro;
Ampliar o diálogo entre comunidades Afro-Brasileiras e não Afro-Brasileiras, visando diminuir a desigualdade social, a violência e o preconceito existente quanto aos Povos Tradicionais do Brasil.



Projeto Terreirada 2010
.
A Cidade de ITABUNA, foi contemplada pela Secretaria de Promoção da Igualdade Racial, com o Projeto Terreirada. O Projeto foi um dos ganhadores do Edital 01/2009 SEPROMI/BA.
O evento acontece num momento histórico em que se comemora o Centenário da Cidade de Itabuna, terras adubadas com o suor e o sângue dos negros escravos africanos. Seus descendentes ainda guardam sua cultura e suas tradições ancestrais e ainda buscam seu espaço neste Brasil Multicor.
Com o propósito de direcionar essa "busca" estamos promovendo esse diálogo, com a intenção de valorizar esses descendentes, criamos um espaço para que eles mostrem sua arte e seu talento, com o desejo de agradecer a nossos ancestrais, vamos nos reunir e juntos orar e louvar ao nosso Criador.
Vivenciamos na Região Grapiúna uma situação de conflito, onde as etnias tradicionais continuam lutando por um re-conhecimento às suas tradições e direitos. Se faz necessário provocar e promover o diálogo entre os diversos "atores sociais" envolvidos, inclusive, outras comunidades tradicionais que enfrentam as mesmas questões, relativas ao preconceito, a violência, a discriminação e o desrespeito.

Itabuna não vai comemorar seu Centenário sem prestar sua justa homenagem aos seus ancestrais e a cultura Afro-Brasileira.

RECURSOS:

O evento deverá ter entrada franca e é sem fins lucrativos. O valor orçamentário deste projeto inclui despesas com produção, acessibilidade e materiais de divulgação tendo custos variáveis. O Projeto aprovado pela SEPROMI não cobre as despêsas com a acessibilidade de grupos e Comunidades do interior do Estado.
O valor dessas despesas será obtido por meio de apoio logístico e financeiro ao projeto. A característica financeira deste projeto é de que seja um evento de médio valor orçamentário em vistas a viabilização do mesmo, priorizando a divulgação para formar novas platéias, o valor artístico e cultural da oportunidade em questão.

Grupos de outras cidades, previstos para participar do evento:

Ponto de Cultura Filarmônica 02 de Janeiro (Canavieiras)
Ponto de Cultura Tribo das Libélulas (Itacaré)
Ponto de Cultura Atuar (Vitória da conquista)
Pontão de Cultura Esperança da Terra (Comunidade indígena/ São jose da Vitória)
Comunidades de Terreiros da Cidade de Itacaré (Itacaré)
Comunidades de Terreiros da Cidade de Una (Una)
Fanfarra de Una (Una)
Grupo da Burrinha de Una (Una)
Grupo Afro Dilazenze (Ilhéus)
Comunidade do Terreiro Matamba Tombensi Neto
e outras Comunidades de Terreiros.(Ilhéus)
Terreiro Ilè Axé Ijobá L'adè (Itajuipe)
Grupo Samba de Treita (Ilhéus)

Grupos da Cidade de Itabuna, previstos para participar do evento:

Ponto de Cultura Associação do Culto Afro Itabunense (Terreiro Ilè Axé Oya Funké)
Associação Santa Cruz do Ijexá (Terreiro Ilè Axé ijexá Orixá Olufòn)
Terreiro ilè Axé Ijobá ti Oxumarè Yewá
Terreiro ilè Axé Águas de Oxun
Terreiro Ilè Axé de Oxossi
Terreiro Ilè Axé Omineji lonãn
Terreiro Ilè Axé Iyá Omin
Terreiro Ilè Axé Opò Oya Fenàn
Terreiro Casa de Ogun
Terreiro Iyá Borossi
Terreiro de Oxun
Grupo Encantarte
Grupo de Capoeira Humaitá
Baianas de Itaparica
Movimento Negro Unificado


Aguardamos em breve um contato, através do qual poderemos prestar maiores informações que pensamos serem de mútuo interesse.



Participe do Projeto Terreirada 2010



Luiz Carlos Menezes Dantas
Coordenador
Associação do Culto Afro Itabunense
Projeto Terreirada 2010
73 3612 0175 / 73 9111 7096
luiztata@oi.com.br





Para maiores informações enviar e-mail para acaipontodecultura@gmail.com

quinta-feira, 10 de junho de 2010

terça-feira, 8 de junho de 2010

Em Romaria

FOLHA DE SÃO PAULO – 07/06/2010

Em romaria
Em busca de votos, candidatos submetem a agenda política civil aos interesses e prioridades de comunidades religiosas
Hóstias, cânticos, defumações: o candidato, ou candidata, abaixa a cabeça e se deixa abençoar pelo padre, pelo pastor, pelo babalaô -e segue, em odor de santidade, para seu próximo compromisso de campanha.
Uma passeata gay, quem sabe; um evento pela diminuição da carga tributária; ou então um encontro com profissionais da saúde pública. Questões como o aborto ou a distribuição de camisinhas serão lembradas; exorciza-as o candidato que comunga, bate no peito e calça as sandálias da humildade -para arrastá-las lepidamente, dias depois, num forró em Pernambuco ou numa escola de samba carioca.
Tanta versatilidade por parte dos políticos até que se reveste de um aspecto positivo: acentua o espírito de tolerância e ecumenismo que tem sido um patrimônio importante da cultura brasileira.
Entretanto, na medida em que os candidatos multiplicam suas peregrinações a locais de culto, vão ficando visíveis os sinais de um processo mais complexo e, em certa medida, preocupante.
Em primeiro lugar, trata-se do crescente desprestígio da atividade política enquanto tal. Comícios, discursos e plataformas programáticas já não atraem nem convencem.
Inventou-se o recurso do "showmício" -o candidato entrava em cena, a tiracolo de uma dupla sertaneja ou de alguma rainha do axé, acenava para a multidão, e em caso de indiferença o aparato sonoro estava pronto a incutir, em milhões de decibéis, o entusiasmo no coração dos cidadãos.
Proibidos pela legislação, os showmícios retornam pela porta dos fundos -ou da sacristia. Como os eventos musicais já não podem ser alugados para o marketing eleitoral, outro tipo de marketing -o religioso- serve para oferecer aos candidatos o palanque, e a plateia dócil, de que precisam.
O estratagema tem um preço -e aqui se localiza o mais nocivo aspecto da questão. Assim como a busca por mais espaço no horário gratuito da TV leva os candidatos a um jogo invertebrado de alianças partidárias, a esperança de fazer do altar um palanque, e dos templos, currais eleitorais, vem submeter a esfera civil ao confessionalismo religioso -quando não aos interesses inconfessáveis que, por vezes, a este se associam.
Que política terá o candidato no campo das concessões de rádio e TV? Aceitará manter as isenções fiscais de que se nutrem os cultos de todo tipo? Com que tipo de preconceitos compactua, quando se submete à romaria?
A candidata do PV, Marina Silva, ao menos tem sido clara em suas atitudes. É evangélica. Perde ou ganha votos com isso; já se confundiu sobre a questão do ensino do criacionismo nas escolas, é contra o casamento gay, e avisou aos interessados que não participaria da passeata de ontem na avenida Paulista.
Respeitem-se suas posições; mas é a religião, no que tem de acrítico e de moroso, falando mais alto do que a modernidade republicana. Quanto a José Serra e Dilma Rousseff, a religião não fala, mas impõe-lhes o silêncio, em troca de votos. Descaracterizam-se, desconversam, dizem amém -e oferecem, a quem quiser acreditar, o espetáculo regressivo e a bem dizer ridículo da cordura e da compunção.

IV Encontro dos dirigentes Municipais de Cultura da Bahia




Relatório da participação do Representante do Litoral Sul no IV Encontro dos Dirigentes Municipais de Cultura da Bahia.

Há braços Nordestinos,
--
Lula Dantas
Coordenador Ponto de Cultura
Associação do Culto Afro Itabunense
G 08 Rep. Litoral Sul/Comissão de
Comunicação/BA
Comissão Nacional dos Pontos de
Cultura
Colegiado Matriz Africana
73 3612 0175


IV Encontro dos Dirigentes municipais de Cultura da Bahia

Abertura na Sala principal do Teatro Castro Alves

30/05/2010

O evento contou com a presença de um grande público, representantes e autoridades do Ministério da Cultura, MDA, CET, SEPLAN, SECULT, Governo do Estado da Bahia, Conselho Estadual de Cultura, Fórum de Dirigentes Municipais de Cultura, Fórum dos Pontos de Cultura da Bahia, Fórum de Pró-Reitores das Universidades Públicas.

Foi anunciado o lançamento do Programa de Filarmônicas, com um belo espetáculo, apresentado por várias filarmônicas do Estado. O Secretário de Cultura da Bahia, Márcio Meirelles deu o “Tom”, ao provocar os músicos e regentes acerca das possibilidades de arranjos e acréscimo de ritmos e tendências contemporâneas ao repertório das filarmônicas.

Os Representantes dos PCs ficaram hospedados no mesmo hotel, o que possibilitou a colaboração e a carona/taxi solidário.

31/05/2010

Centro de Convenções da Bahia

A Senhora Normelita da Silva, Coordenadora Geral do Fórum de Dirigentes Municipais de Cultura da Bahia, deu as boas vindas, com muita simpatia e positividade. Seguida pela Senhora Ângela Andrade (Superintendente de Cultura da Bahia), o Senhor Márcio Griô (Colegiado Executivo do Fórum dos PCs da Bahia), e o Senhor Ubiramar de Souza ( Coordenação Estadual dos Territórios de Identidade da Bahia CET).

Foi utilizada a metodologia de painéis integrados, onde foram abordados temas, como:

Políticas Públicas (Isaura Botelho), e Diversidade Cultural (Jose Márcio de Barros)

Redes Sociais (Cássio Martinho), e Pontos de Cultura (TT Catalão)

Diálogo sobre o Sistema Nacional de Cultura ( Roberto Peixe Coordenador do Sistema Nacional de Cultura - SAI/MINC), e Lei Orgânica de cultura da Bahia ( Neuza Hafner Britto Chefe de Gabinete – SECULT/BA)

Economia da Cultura e Mecanismos de Fomento:
Carlos Paiva (Superintendente de Promoção Cultural); Pola Ribeiro (Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia);
Gisele Nussbaumer (Fundação Cultural do Estado da Bahia).

Patrimônio e Memória:

Frederico Mendonça (Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia); Hirton Fernandes (Núcleo de Culturas Identitárias);
Ubiratan Castro de Araújo
(Fundação Pedro Calmon).

Foram proferidas palestras importantes, nós dos PCs, tivemos um momento de diálogo com o Secretário de Cidadania Cultural TT Catalão, muito esclarecedor, principalmente para aqueles que não conheciam o sucessor do Célio Turino. Que se mostrou aberto e simpático a nossa causa, assim como extremamente conhecedor da realidade cultural nacional. Onde nos alertou que “Não existe almoço de graça”. Ressaltando que tudo tem um preço e que é necessário muito trabalho.

01/06/2010

Com o tema, Desenvolvimento Territorial da Cultura, foi iniciado o dia com as falas da Senhora Ângela Andrade (SEDECULT), e de Representantes da SEPLAN, CET e MDA.

O G08 se reuniu no período da manhã, onde decidiu por enviar moções à Lei Griô, Programa Cultura Viva, Procultura, Sistema Nacional de Cultura e Lei Orgânica Estadual da Cultura, além da Carta de articulação para formação em audiovisual. Foi decidida também a substituição do Representante Júnior Pinheiro, que não participa atualmente de Pontos de Cultura da Bahia, com a indicação do nome de Luiz Dantas. Assim como, a reformulação da Comissão de Comunicação com a saída de Júnior Pinheiro e Reginaldo, entrando Antenor Júnior e Cristina Alves.

No Encontro do G 26, à tarde, foram discutidas a participação política do Fórum, aceitas as indicações das substituições, descritas as ações do grupo com um breve histórico, discutidas possibilidades de atividades em parceria e informes acerca do trabalho da Comissão de Comunicação. Mas, a reunião da Comissão de comunicação não aconteceu. Lu Cachoeira apresentou a proposta de um grande evento de rua envolvendo todos os coletivos Culturais do Estado, como forma de mostrar nossa cara e nossa força, nesse momento singular.

Recebemos as visitas das Senhoras Renata Camarotti (Coordenadora do Programa Pontos de Cultura da Bahia) e, Luciana Carvalho, que veio para falar acerca de Prestação de contas, embora não conseguirmos tempo para uma reunião, se mostrou disposta a colaborar, respondendo a dúvidas, disponibilizando seus contatos para o Grupo:
Luciana Carvalho
Análise de Prestação de contas MINC Luciana.carvalho@cultura.gov.br
61 9194 4457
61 9986 8363
61 3901 3820


Nos Grupos de Trabalho por Território, foi utilizada uma metodologia, onde foram discutidas entre os Dirigentes Municipais de Cultura presentes, Os Senhores, Cyro de Matos (Itabuna), Maurício Corso (Ilhéus), Elyvanice Brito e Jadson (Arataca) Mide (Mascote), Conceição Reis (Una), dentre outros. O Representante do Território no Forum dos Pontos de cultura da Bahia (Luiz Dantas), o Representante da Câmara Tematica de Cultura do Território de Cidadania Litoral Sul (Andynho), Sob a coordenação do Representante Territorial da SECULT Anderson Silva, discutiram as propostas encaminhadas por ocasião da Conferência Territorial de Cultura, priorizando uma de cada eixo, resultando 05 propostas, sendo que, foram destacadas as que tem a possibilidade de serem realizadas no segundo semestre de 2010. Foram eleitas prioritárias as seguintes propostas:

EIXO 01 Produção Simbólica e Diversidade Cultural

Produção de Arte e Bens Simbólicos


Promoção de políticas públicas Estaduais no âmbito do Território litoral sul. Que possam garantir a capacitação de artistas, produtores culturais e gestores com o objetivo de fomentar a produção artística (em suas várias linguagens) e as manifestações culturais (religiosas, folclóricas e étnicas) promovendo o intercâmbio entre as várias cidades do interior.

EIXO 02 Cultura, Cidade e Cidadania

Memória e Transformação social

Promover o levantamento e o registro da memória cultural coletiva utilizando para tanto as escolas, famílias e educandos, com o objetivo de criar uma memória dos bens materiais e imateriais da comunidade para a exposição desse acervo coletado em espaços específicos abertos a visitação pública, promovendo assim a transformação social.
EIXO 03 Cultura e Desenvolvimento Sustentável

Centralidade e Transversalidade da Cultura

Fomentar e valorizar a cultura territorial criando espaços de “memórias e identidades” em lugares estratégicos de cada município do território.

EIXO 04 Cultura e Economia Criativa

Sustentabilidade das cadeias criativas da cultura

Criação de um centro técnico, no Território Litoral Sul, de fomento às atividades culturais com formação nas áreas de música, dança, artesanato, teatro, artes plásticas, culinária, costura e literatura regionais, além da capacitação de gestores culturais.

EIXO 05

Gestão e Institucionalidade da Cultura

Sistema de Informações e Indicadores Culturais

Mapear e catalogar artistas e movimentos culturais do Território Litoral Sul, disponibilizando e acrescentando informações em um BLOG.



Foi eleito o Sr Maurício Corso, como Representante do Território Litoral Sul, no Fórum dos dirigentes Municipais de Cultura da Bahia. O evento foi encerrado por volta da 18h00min, com um coquetel e declamações de poesias.

Sem mais para o momento,


Luiz Dantas
Coordenador Ponto de Cultura Associação do Culto Afro Itabunense/Projeto Cultura em Ação
G 08 Litoral Sul/Comissão de comunicação
CNPdC Colegiado Matriz Africana

sexta-feira, 4 de junho de 2010

19 pontos para uma agenda afrodescendente nas Américas

O documento, fruto do II Encontro Afrolatino foi finalizada no último dia 26. A Declaração de Salvador visa aprofundar o intercâmbio de experiências sobre políticas públicas e ações específicas para a implementação da Agenda Afrodescendente nas Américas.Os Ministros, Autoridades e representantes dos Ministérios e de Instituições de
Cultura de Barbados, Brasil, Colômbia, Cuba, Equador, Jamaica, México,
Nicarágua, Panamá, Paraguai, Uruguai e Venezuela e os representantes da
Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura
(UNESCO), da Secretaria-Geral Iberoamericana (SEGIB), da Agência Espanhola
de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID) e do Programa de
Apoio aos Povos Afrodescendentes Rurais da América Latina e do Fundo
Internacional de Desenvolvimento Agrícola (ACUA-FIDA), reunidos em Salvador,
Brasil, durante os dias 25 e 26 de maio de 2010, com o fim de aprofundar o
intercâmbio de experiências sobre políticas públicas e ações específicas para a
implementação da Agenda Afrodescendente nas Américas 2009 – 2019 e:
Destacando a relevância conceitual e política da “Conferência mundial contra o
racismo, a discriminação racial, a xenofobia e as formas conexas de
intolerância”, realizada em Durban, em setembro de 2001, bem como das
propostas consubstanciadas em sua Declaração e Programa de Ação;
Recordando o conteúdo da Declaração de Cartagena, firmada no âmbito do I
Encontro Iberoamericano de Ministros de Cultura para a Agenda
Afrodescendente nas Américas, realizado em Cartagena das Índias, Colômbia,
nos dias 16 e 17 de outubro de 2008;
Reconhecendo como exigência ética dos Estados, a valorização dos aportes dos
afrodescendentes na formação de nossas culturas, nossas histórias e nossas
nações.
Celebrando a força da diáspora africana como fonte inspiradora para estreitar
laços de fraternidade e unidade cultural entre os povos da América;
Afirmando a importância da participação ativa das populações
afrodescendentes nos processos de construção política e de desenvolvimento
sócio-econômico de seus países;
Ressaltando a necessidade do estreitamento dos laços de solidariedade entre a
América Latina, o Caribe e a África, para valorizar a matriz comum africana de
nossas culturas e promover os direitos dos afrodescendentes;
2
Destacando o protagonismo das mulheres afrodescendentes e seu papel
decisivo no reencontro e no fortalecimento da Diáspora Africana;
Tendo em conta que a mídia e as tecnologias de informação e comunicação são
elementos essenciais no processo de valorização das identidades
afrodescendentes;
Recordando que o ano de 2010 foi proclamado pela Assembléia Geral das
Nações Unidas o Ano Internacional de Aproximação das Culturas;
Saudando a decisão da Assembléia Geral da ONU que declarou 2011 o Ano
Internacional das Pessoas de Ascendência Africana;
Considerando que a cooperação internacional é meio eficaz e multiplicador das
experiências e potencialidades nacionais, favorecendo a consolidação de
diretrizes comuns nas políticas públicas para os afrodescendentes;
ACORDAM:
1. Envidar esforços para a criação de mecanismos institucionais e
instrumentos de cooperação que reforcem a solidariedade entre América
Latina, Caribe e África, no âmbito governamental e da sociedade civil;
2. Criar a Secretaria Pro Tempore da Agenda Afrodescendente nas
Américas, designando a Fundação Cultural Palmares, do Brasil, para
exercer esta função até o terceiro encontro;
3. Fortalecer o Observatório Afro-Latino e do Caribe com esquemas de
cooperação nacional que permitam a circulação de conteúdos, com uma
plataforma interativa que maximize a difusão e o acesso à informação,
bem como o seu uso para a elaboração e execução de políticas públicas;
4. Implementar iniciativas de fomento ao desenvolvimento artístico, bem
como ao intercâmbio de manifestações culturais de origem
afrodescendente entre os Estados-parte da Agenda, tais como bolsas,
estágios, residências artísticas e participação em atividades culturais;
5. Salvaguardar as religiões e os espaços culturais de matriz africana,
reconhecendo sua importância para a formação social e vitalidade
cultural da América Latina e do Caribe;
3
6. Fomentar a co-produção audiovisual e sua circulação para recuperar a
memória histórica e social das populações afrodescendentes nos países
da América Latina e do Caribe;
7. Estimular a edição e distribuição de publicações e material didáticopedagógico,
em suporte impresso e digital, sobre o aporte dos
afrodescendentes no processo de construção das nações da América
Latina e do Caribe;
8. Promover a reinterpretação e reconceituação da história, cultura e
tradições dos povos afrodescendentes para sua inclusão em programas
educacionais para a infância e juventude;
9. Promover a pesquisa, o ensino local e a difusão cultural das línguas dos
povos afrodescendentes;
10.Ressaltar a importância da adoção de medidas de ação afirmativa nos
diferentes campos, tais como a educação, particularmente a educação
superior, e o acesso ao emprego, entre outros.
11.Promover a aproximação, a troca de experiências e iniciativas de
cooperação entre as instituições dos países da América Latina e Caribe
dedicadas à promoção da igualdade de direitos e oportunidades e
valorização da cultura de matriz africana;
12.Promover iniciativas de cooperação destinadas ao desenvolvimento de
capacidades, apoio ao empreendedorismo e fomento à economia da
cultura e aos mercados culturais entre as populações afrodescendentes;
13.Fortalecer iniciativas culturais que favoreçam a inserção dos
afrodescendentes urbanos marginalizados, com especial ênfase sobre a
juventude;
14.Adotar medidas que assegurem os direitos culturais das comunidades
rurais afrodescendentes, em temas como a preservação das línguas e
tradições culturais e a proteção dos conhecimentos tradicionais;
15. Aprofundar ações que favoreçam a promoção de uma imagem digna dos
afrodescendentes mediante o uso dos meios de comunicação e
contribuir ao desenvolvimento de linguagens que elevem sua autoestima;
4
16.Visibilizar o protagonismo das mulheres afrodescendentes na historia de
suas comunidades e da sociedade e apoiar seus projetos de
fortalecimento organizativos e culturais.
17. Desenvolver iniciativas conjuntas para valorização e salvaguarda do
patrimônio cultural material e imaterial das comunidades
afrodescendentes;
18.Designar a presente reunião “II Encontro Afro-Latino e Caribenho” e
adotar esta denominação nos próximos encontros da Agenda
Afrodescendente nas Américas;
19.Reconhecer a contribuição do trabalho desenvolvido pela UNESCO no
projeto “Rota do Escravo”, para promoção da cultura e da memória
africana e afrodescendente e recomendar a difusão e distribuição
massiva de seus conteúdos.
Adicionalmente, recomendam aprofundar, a partir das experiências nacionais, o
processo de reflexão e intercâmbio de conhecimentos sobre os temas da
agenda afrodescendente, mediante a celebração de encontros e atividades
acadêmicas, científicos e culturais.
Os participantes agradecem ao Ministério da Cultura do Brasil e ao Governo do
Estado da Bahia pelo esforço da organização desta reunião e a excelente
acolhida na cidade de Salvador.
Salvador, 26 de maio de 2010.


Fonte:
Babá Kytalamy

Arquivo do blog